O que é Quimbanda/Kimbanda?

O que é Quimbanda (Kimbanda)?

Quando se busca informações sobre o que é quimbanda, percebe-se que muito se fala sobre a quimbanda isso, a quimbanda aquilo e a quimbanda aquilo outro, como se o nome que viesse depois de “quimbanda” fosse uma marca como Apple, Samsung e afins. Mas não é assim. A Quimbanda é uma religião séria, antiga e ainda com muito a ser revelado ao público em geral que desses mistérios não participa.

Quimbanda é provavelmente a mais mal vista das religiões afro-brasileiras, sendo alvo de preconceito até mesmo de adeptos de religiões irmãs (como a umbanda e o candomblé), geralmente sendo considerada sinônimo de “magia negra” (como se magia negra fosse algo ruim, e não o é). Pode-se dizer que quimbandeiro sofre dupla intolerância religiosa: da sociedade em geral (principalmente dos evangélicos neopentecostais) e do restante da comunidade afro-religiosa. Este preconceito, como todos os demais, deriva da falta de conhecimento. (Veja aqui: Quimbanda é magia negra?)

Quimbanda é uma religião de culto a Exu em sua essência masculina e Pombagira, sua contraparte feminina. O nome Exu advém do orisa Esu, um interlocutor entre os homens e os demais orisas no Culto Tradicional Yorubá (Isese Lagba) e, apesar do nome ser derivado dele, são entidades e seres muito diferentes.

Qual a origem da quimbanda?

A Quimbanda é um culto 100% brasileiro, alicerçado nas múltiplas crenças de nosso povo, fruto da união das crenças e realidades das diversas regiões do Brasil e suas religiões múltiplas como o catolicismo, islamismo, elementos dos índios nativos brasileiros, partes bem claras provenientes das religiões afro como as influências kimbundo-bantu, nagô-yorubá, além da feitiçaria popular e demonologia europeia, cultura tupi-guarani, catolicismo romano e assim por diante.

A despeito de muito que tem sido falado por ai sobre a umbanda e a quimbanda, a bem da verdade, nos mais diversos registros históricos a quimbanda é anterior a Umbanda, como afirma Aluizio Fontenelle (EXU 1ª Edição:1949–2ª Edição:1954), onde com uma visão preconceituosa da quimbanda, afirma que a “Umbanda nasceu para combater a Quimbanda”.

Os Exus de Candomblé são de Quimbanda?

INICIAÇÃO NA QUIMBANDA É IGUAL INICIAR NO CANDOMBLE?

Sim e não, o culto a exu e pombagira segundo todos os registros históricos que achamos, retratam o culto deles como Quimbanda e, ao longo do tempo, esse culto passou a ser agregado a outros como a Umbanda (que começou com culto a caboclos) e ao Candomblé (culto a orixás). Quer um exemplo? Pergunte a qualquer pessoa do candomblé de ketu com mais de 30 a 40 anos de iniciado o que os mais antigos falavam dos que “recebiam egum” e veja como era raro alguém do candomblé ter culto a exu sem ser o orixá. Hoje em dia o culto é normal e esperado, o que agrega muito ao candomblé, de forma bem positiva.

Então, de certa forma, o culto praticado no candomblé e nas “giras de esquerda” de umbanda são um tipo de quimbanda, porém, não é a quimbanda dita pura, onde Exu e Pombagira são os reis e senhores absolutos!

O que diferencia a Quimbanda do Candomblé e da Umbanda é que aqui, na Quimbanda, os poderosos mortos que tomam as formas de exu, pombagira, ciganos, caboclos e preto-velhos quimbandeiros são espíritos livres das amarras de outros seres e entidades.

Dentro da Quimbanda na sua forma mais tradicional, acredita-se que os espíritos nela cultuados são ancestrais que tiveram ligação com o culto. Ou seja, espíritos ancestrais que ascenderam através do conhecimento da espiritualidade e sua força de manipulação da energia vital. Sendo essa uma das razões que faz com o os espíritos de Quimbanda sejam livres e independentes de amarras com outros seres e entidades, afinal, um espírito que desencarnou lá nos tempos de 1700 em plena escravatura jamais se subordinaria a seres que são cultuadores da mesma religião que seus algozes escravocratas.

Na quimbanda geralmente orixás não são cultuados. É comum que quimbandeiros também sejam iniciados para orixá, mas o fazem em outras religiões, como o candomblé, batuque ou como aqui no Tradição das Sombras pelo Culto Tradicional Yorubá, nos quais cultuam as divindades africanas. Que chegue a nosso conhecimento, apenas a Quimbanda Mussurubi tem conexões com orixás dentro de seu culto. Porém, é exceção e não regra.

Quimbanda é Amoral ou Imoral?

COMO INICIAR NA QUIMBANDA EXU DE QUIMBANDA ASSENTAMENTO DE KIMBANDA

Deixemos bem claro que o fato de utilizarmos a amoralidade (ou seja, ausência de moralidade), não significa liberdade para fazer o que bem entende sem pensar nas consequências mundanas, já que estamos aqui falando de um culto dogmático e que possuí ritos e fundamentos próprios. Mas a quimbanda como amoral surge para explicar que o que é ruim para você nem sempre será para o seu próximo, e assim vice-versa.

Ou seja, em sua essência a quimbanda não é imoral, ela não se preocupa em “ferir a moral” de ninguém pois a moral para ela simplesmente não existe. Nunca podemos nos esquecer que a moral e a ética são conceitos voláteis e que mudam ao “sabor” do tempo e do espaço. O que é “certo e moral” em São Paulo pode ser muito diferente do Rio de Janeiro que por sua vez é muito diferente do “certo e moral” no Cazaquistão…

Por isso a quimbanda é essencialmente amoral, ela está acima dessa questão mundana de “certo e errado”, a percepção e visão do quimbandeiro vai além disso e aí conseguimos ver quem realmente é quimbandeiro e quem apenas diz ser. O que abre o espaço para falarmos de “como iniciar na quimbanda”!

Como me iniciar na quimbanda?

Iniciar na quimbanda é fácil e difícil ao mesmo tempo. Estamos em pleno século XXI, era da informação e do conhecimento, portanto, é muito fácil achar diversos terreiros de quimbanda por aí. O grande problema é você conseguir identificar terreiros que não sejam presos a amarras e pensamentos cristãos, pois acredite, muito pseudo-quimbandeiro-trevosão na maior parte das vezes não passa de um cristão rebelde com o “papai do céu”, nada além disso. Ou você acha que aquele feiticeiro escravizado pelo senhor de engenho que era quimbandeiro e feiticeiro ficava pagando de trevosão? Pois é, isso nem existia e a quimbanda era muito mais forte do que se vê hoje em dia por aí.

O verdadeiro quimbandeiro vai além disso, transcende as amarras do mundo físico e compreende que o todo importa. Por isso, achar um verdadeiro terreiro de quimbanda não é assim tão simples como parede.

Nunca se engane, Exu é um caminho, um grau, um título dos poderosos espíritos ancestrais. Exu não é escravo de nada e de ninguém, pelo contrário, muitos ai dizem que são quimbandeiros mas na verdade são apenas escravos de seus exus, um erro muito perigoso e fatal.

Mas uma vez que você tenha achado um terreiro, bom, aí basta conversar com o sacerdote do templo de quimbanda e então, começar o processo iniciático.

Quer saber mais sobre a iniciação e como fazemos aqui no Tradição das Sombras a iniciação à quimbanda? Confira em nosso artigo: Iniciação na Quimbanda!